Quarta, 23 de maio de 2018
83 9 96841386
Política

26/02/2018 ás 23h28

221

Redacao

São Bento / PB

Justiça prorroga prisão de investigados na 48ª fase da Operação Lava Jato por cinco dias
Seis pessoas foram presas temporariamente na última quinta-feira (22). MPF alegou grande volume de material apreendido que ainda precisa ser analisado.

Justiça Federal determinou, nesta segunda-feira (26), a prorrogação por mais cinco dias da prisão de seis investigados na 48ª fase da operação Lava Lato. Esta etapa da operação apura irregularidades na gestão das concessões de rodovias federais no Paraná.


Todos já estavam presos temporariamente desde a última quinta-feira (22), quando foi deflagrada a nova etapa da Lava Jato.


O Ministério Público Federal (MPF) havia solicitado a conversão das prisões para preventivas – por tempo indeterminado – alegando que o volume de material apreendido durante a operação foi grande e ainda precisa ser analisado.


Os procuradores pediram ainda que, caso a argumentação e as provas trazidas não fossem suficientes para a decretação imediata da prisão preventiva dos investigados, fosse prorrogado prazo da prisão temporária por mais cinco dias.


A Polícia Federal (PF) não se manifestou no processo.


A decisão, assinada pela juíza federal substituta Gabriela Hardt, foi publicada no sistema eletrônico da Justiça às 20h40 desta segunda.


De acordo com a juíza, o MPF apontou inconsistências nas versões apresentadas pelos investigados em depoimento. Além disso, o cumprimento dos mandados trouxe novos indícios que podem corroborar as alegações dos procuradores.


"Apontado, ainda, possível tentativa de ocultação de documentos por funcionários de Wellington de Melo Volpato. E apreensão de valores em situações obscuras com Leonardo Guerra", destaca a magistrada.


Ainda segundo o despacho, a concessão de mais prazo vai permitir análise de material pela PF e pelo MPF que poderá indicar a necessidade de buscas adicionais e apontar rastros financeiros ainda desconhecidos.


"A colocação em liberdade dos seis colocará em risco a efetividade de novas diligências da espécie", pontua Hardt.


Operação Integração


Batizada de Integração, a 48ª fase da Lava Jato apura crimes como corrupção, fraude a licitações e lavagem de dinheiro na gestão das concessões de rodovias federais no Paraná. Além dos seis mandados de prisão, a Polícia Federal (PF) cumpriu 55 mandados de busca e apreensão; a Casa Civil, na sede do governo estadual, foi um dos alvos.


De acordo com a investigação, o valor do pedágio foi superfaturado para financiar a corrupção. Nelson Leal, então diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem no Paraná (DER-PR), é suspeito de usar o cargo que ocupava para editar atos em favor das concessionárias.


Conforme o MPF, a investigação mostra "reais causas" de alto preço do pedágio no Paraná.


 


Veja quem são os presos:


Nelson Leal - então diretor-geral do DER-PR;


Oscar Alberto Gayer da Silva - ex-funcionário do DER-PR;


Wellington de Melo Volpato - sócio da Eco Sul Brasil Construtora;


Hélio Ogama - diretor-presidente da Triunfo Econorte;


Leonardo Guerra - administrador da empresa Rio Tibagi;


Sandro Antônio de Lima - funcionário da Econorte.


O outro lado


O advogado de Nelson Leal Júnior, Beno Brandão, disse que o pedido de liberdade será reapreciado depois da manifestação do Ministério Público Federal acerca dos esclarecimentos feitos pela defesa.


Segundo o advogado Gabriel Bertin, que defende Hélio Ogama, o cliente dele prestou depoimento de aproximadamente oito horas, durante a manhã e tarde desta segunda. Respondeu a todas as perguntas do procurador e explicou todos os pontos questionados. O advogado informou que respeita a decisão, mas entende que a prisão cautelar não é necessária. A defesa de Leonardo Guerra informou que vai se manifestar no processo.

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
Mais lidas
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados