Google Adsense Topo
ESTRATEGISTA

Flamengo vence até "jogo fora da curva" e encurta caminho para o título

Na base das armadilhas de Jesus e nos milagres de Diego Alves, Rubro-Negro conquista resultado expressivo contra Athletico na Arena da Baixada que o deixa cada vez mais favorito ao Brasileirão

14/10/2019 09h58Atualizado há 1 mês
Por: Redação
Fonte: Globo Esporte
Foto: Alexandre Vidal / Flamengo
Foto: Alexandre Vidal / Flamengo

O Flamengo está encantando no Campeonato Brasileiro, mas os torcedores mantêm os pés no chão e sabem que não dá para ganhar todas. Com a gordura de oito pontos na liderança, o jogo contra o Athletico-PR na Arena da Baixada, por exemplo, não seria considerado um tropeço se tivesse perdido pontos para o atual campeão da Copa do Brasil em um estádio onde só havia vencido uma vez na história. O próprio Jorge Jesus admitiu que foi ali a sua partida mais difícil no comando do time.

Mas diferentemente daquela ocasião, em que buscou o empate por 1 a 1 no sufoco e viu o adversário ter dois gols e um pênalti anulados pelo VAR, o Rubro-Negro do português desta vez jogou bola e fez 2 a 0. Mesmo com os já esperados passes errados em função da adaptação ao sintético, o time se impôs em vários momentos, como lhe é habitual, e venceu na rodada em que o Palmeiras contava para diminuir a distância. Resultado expressivo que deixa mais curto o caminho para o título.

O placar, de autoria de Bruno Henrique, foi construído na base do estrategista Jesus. A começar pela escalação: tirou a joia Reinier e lançou Lucas Silva, atacante de 21 anos que enfrenta resistência por parte da torcida. Mas o garoto foi uma grata surpresa para o gramado artificial: com sua velocidade pelo lado direito, sofreu um pênalti que foi (mal) anulado pelo VAR e criou uma chance clara para Vitinho.

Outra tática foi fazer uma contra-armadilha ao "estilo Fernando Diniz", aperfeiçoado no Athletico-PR por Tiago Nunes. A estratégia de não dar chutão e trocar passes na defesa força que o adversário adiante e marcação e acabe oferecendo espaços atrás. O Flamengo cercava com três ou quatro e corria risco para começar a apertar a saída de bola desde o goleiro, que falhou repetidas vezes e entregou o primeiro gol.

O técnico português colocou mais um marcador, Piris da Motta, no lugar de Lucas Silva; ao perder Rafinha, preferiu João Lucas a Rodinei por ser mais rápido contra o veloz Rony; deu mais frescor à defesa com Thuler no lugar de Rhodolfo e armou o time para contra-ataques com Arão e Everton Ribeiro de armadores. Cada um proporcionou uma chance para Bruno Henrique, que aproveitou a última.

Renê teve boa atuação na marcação e ainda deu assistência no ataque — Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo
Renê teve boa atuação na marcação e ainda deu assistência no ataque — Foto: Jonathan Campos/Gazeta do Povo

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias